Ana Hickmann não solicitou medidas protetivas de urgência após uma agressão por vários motivos possíveis, como medo de afetar seu filho, dúvidas sobre a eficácia da medida, receio de afastamento e preocupações profissionais. A violência física muitas vezes vem após outras formas de abuso, e questões sociais e emocionais podem influenciar na busca por proteção

 

Acompanhei o caso da apresentadora Ana Hickman e do seu marido Alexandre neste final de semana e me chamou muita atenção o fato dela não ter pedido, em seu favor, as medidas protetivas de urgência que ela faz jus por conta da lei Maria da Penha.

 

É uma faculdade da mulher pedir ou não a medida protetiva de urgência.

 

No caso dela o que a levou a NÃO solicitar:

 

  • Medo da medida ser abrangida também para o filho que presenciou a agressão?
  • Não certeza de que colocará fim a este ciclo vicioso de violência que, pelo que pude perceber, lendo as redes sociais, já existia há muito tempo;
  • Medo de se afastar do filho?
  • Medo de perder contratos de trabalho (afinal ele é o empresário dela)?

 

Muitas coisas permeiam uma violência. Não só o antes, mas também o que vem depois. O dia seguinte é muito difícil. Encarar a sociedade, seus funcionários que presenciaram a agressão, seus fãs. E, é sempre bom lembrar que, a violência FISICA é, em 90% dos casos a última ratio. Ou seja, antes de chegar até ela já houve violência psicológica, sexual, patrimonial…

 

Outro dia também li uma matéria da ex-mulher de CAUA REYMOND, Mariana, que relatava de relações abusivas de um modo geral. Relações em que o homem desmerece a mulher em todos os campos de sua vida (profissional, pessoal, familiar) e isto faz com que a mulher se sinta cada vez mais acuada, triste e realmente acreditando que ela é a responsável por toda aquela BRIGA CONJUGAL.

 

Aliás, isto tem nome: GASLIGHTING.

 

A tarefa do abusador em fazer você acreditar que “exagerou”, que “fantasiou” ou que “causou tudo isto”.

 

A cada briga uma nova tentativa de reconquista e então este ciclo segue se repetindo (o ciclo da violência que se repete em até 07 vezes até o rompimento desta relação).

 

Outra preocupação: o filho do casal presenciou as agressões.

 

E, por fim, diversos vídeos anteriores foram postados: Ana Caiu do cavalo, Ana machucou o braço, Ana caiu da escada.

 

Ana clama por SOCORRO!

 

Todos precisamos ser contra violência.

 

Fonte: Migalhas

Deixe uma resposta